Hoje, ontem e sempre!

L23HEwRNopqX_eNWAA_largeGente, hoje eu decidi fazer algo um pouco diferente em função de algumas mudanças que estão acontecendo na minha vida. Elas, de uma certa forma, têm me deixado bem louco. Uma loucura até que aceitável (eu acho). E ao mesmo tempo têm me deixado bastante reflexivo sobre quem eu sou, no que eu me tornei e o que eu ainda quero pra mim. Por isso, resolvi dividir este texto em duas partes, meio que fazendo uma viagem no tempo para mandar estes dois recados bem especiais: um para o Gustavo lá dos 15 anos de idade e outro para o Gustavo que ainda está para vir. Seguem os recados aí embaixo. Prometo não chorar. Mentirinha! rsrs.

Então, Gustavo. Você agora já tem 15 anos e acabou de entrar no ensino médio. Tá aí sem saber muito bem como lidar com estes sentimentos todos e acaba sempre preferindo se enganar, escondendo de ti mesmo estas sensações. Cara, não te preocupa. Uma hora, mesmo que seja daqui há 10 anos, tudo isso que você tá vivenciando vai começar a fazer sentido e você não vai mais precisar se esconder de você mesmo. Inclusive, aquele período em que você se isolou dos seus amigos, por mais que tenha sido necessário pra você se conhecer e construir a sua atual personalidade, não precisa ser justificado pelo medo da rejeição. Você vai ver que quando todo este turbilhão de pensamentos e sentimentos que você está tendo se equilibrar, eles vão estar ao teu lado, te amando e te apoiando mais do que nunca.

Outra coisa, você ainda não fala inglês, né?! E além de não falar você odeia a ideia de ter que estudar esse idioma (que vacilão!!). É uma grande ironia da vida (esta linda), mas a verdade é que daqui há uns 3 anos, esta língua vai se tornar uma das coisas mais importantes pra você. Ela vai te trazer a possibilidade de conhecer outros mundos, outras realidades, outras formas de pensar e vai te fazer muita feliz ainda, todos os dias da tua vida. Ok, em alguns dias a TPM talvez te impeça, mas no geral ela te fará um cara muito realizado.

Em falar em profissão, brother, cê vai passar por cada uma que eu vou te contar. Começando pelo que você menos vai gostar, teu pai vai te obrigar a estudar mecânica (tudo pelo teu futuro, é claro). Aí você pergunta: nessa nova escola eu vou sofrer bullying? Vai! Vão me chamar de veadinho por lá? Vão! Vão ter dias em que a vontade que eu tenho é de simplesmente largar tudo e deixar de ir, por conta de toda essa humilhação? Sim. Mas estes dois longos anos vão passar e você vai ver que no final, tudo vai acabar sendo um grande aprendizado. Mas como já diz o ditado popular, “Depois da tempestade, sempre vem a bonança”. Porque mais tarde, você vai decidir fazer o curso de técnico em química. Tudo bem que ainda não é o que vai te realizar profissionalmente, mas é o que vai trazer pra tua vida pessoas que você vai considerar família. Essas pessoas vão ser tão especiais pra você que vão te apoiar nos momentos mais difíceis, como a troca de curso da faculdade (de química pra letras), a troca de profissão e até te dar conselhos amorosos (uns até bem engraçados). Elas serão a chave para uma transição de vida que ainda está por vir. Mas calma. Talvez até seja difícil pra você passar por tantas mudanças, mas elas, essas pessoas maravilhosas, nunca vão te deixar sozinho.

E antes que eu comece a derramar mais lágrimas aqui, só queria dizer mais uma coisa. Continua esse cara sonhador que você é. Não desista dos seus sonhos não. Talvez no meio do caminho vão aparecer algumas pessoas que vão fazer você desacreditar do que você é capaz, mas não vai por elas não. São todas falsianes. Então era isso. Só te desejo uma bela caminhada e força. Beijos de luz, amiguinho!!

Agora é a tua vez, Gustavo do futuro. Você não tem noção da quantidade de planos que eu tenho pra você. Nossa, são tantas coisas que eu não sei nem por onde começar. Só pra você ter uma ideia, agora eu estou passando pelo final da faculdade. Está sendo uma adrenalina incrível. A cada dia que passa é um cansaço gigantesco, mas estou fazendo isso tudo por você. O que eu te peço, cara, é que você seja muito feliz, assim como eu sou uma pessoa feliz agora. Que você continue conservando seus velhos amigos (que agora devem estar ainda mais velhos rsrs), que você se dedique mais a família, porque confesso, neste quesito eu ainda estou pecando, e que profissionalmente você esteja transbordando de felicidade, com os seus alunos, textos, blog e até quem sabe um canal no YouTube (Por que não?). Enfim, velhinho, (literalmente) quero que você seja feliz acima de tudo. Te amo ontem, hoje e sempre!

Feminismo: E o que eu tenho a ver com isso?

arte_machismo_vale_esteSe você é do tipo de pessoa que acha que toda mulher deveria se dar ao respeito, que lugar de mulher é na cozinha, que existem mulheres pra pegar enquanto que outras são para casar, queridinho, “cê não devia nem tá aqui, linda?”. Este blog não é pra você e nem muito menos tem a intenção de entender o seu ponto de vista deturpado.

“E por que razão um blog que fala sobre a passagem dos vinte anos para os trinta decidiu se posicionar sobre este tema, meu Jesus?”, alguns de vocês podem se perguntar. Porque chegar aos trinta também tem me feito refletir sobre inúmeros conceitos (e preconceitos) que rondavam esta mente maluca que de vez em quando aparece aqui para dividir com vocês as suas angústias e pensamentos. Porque o chegar aos trinta, também tem me trazido um amadurecimento monstruoso (altamente recomendável, mores, pra todas as idades). Porque como ser humano, não faço mais nada do que a minha obrigação em defender e estar ao lado dos que precisam. E principalmente porque não faz sentido, e leiam bem novamente, NÃO FAZ SENTIDO (e pra falar a verdade nunca fez) essa diminuição imbecil da figura da mulher.

Antes de escrever este texto, no entanto, eu procurei pesquisar bastante, ler alguns outros textos sobre feminismo, me informar, conversar com as meninas, enfim, fiz o meu tema de casa. Fiz tudo isso por motivos muitos simples mas que significam muito pra estrutura do feminismo como um todo. Um, porque como homem, independente de não agir como um ser opressor, sei que a minha figura representa e é responsável direta pela opressão da mulher. Por isso, antes de qualquer coisa, mil perdões. A culpa não é diretamente minha, mas faço parte de um contexto que acaba permitindo a propagação de uma filosofia vil e mesquinha. Segundo que não sou mulher e portanto, não posso nem ser feminista e nem ao menos protagonista desta luta. Confesso que considero inclusive um pouco perigoso entrar neste assunto, afinal como não sou atingido pela desigualdade de gêneros, não sei quais são os sentimentos e sensações pelas quais as mulheres passam, mas me solidarizo e procuro ter empatia, assim compreendendo o sofrimento alheio. E terceiro, por uma questão óbvia: não queria estar aqui pagando vale e falando vários nadas.

Então, segurem os seus forninhos porque eu vim aqui foi pra tombar mesmo. Seguem alguns recadinhos para os machistas de plantão: (caso vocês conheçam algum, repassem estas dicas)

  1. Vocês já deveriam saber faz tempo que mulher não é objeto. Elas não estão aqui pra agradar vocês. Então se alguém acha que mulher gorda deveria emagrecer e se cuidar mais, mulher peluda deveria se depilar, mulher sem maquilagem deveria se maquiar e por aí vai, porque vocês acreditam que mulheres com estas características não vão conseguir um namorado ou marido, para o conhecimento de vocês, algumas nem querem mesmo;
  2. Assim como vocês, elas também têm o direito de beijar e transar com quem quiserem, sem que sejam rotuladas como putas ou vagabundas. Não é da conta de vocês com quantos homens elas se relacionam. Aliás, se vocês fossem mais espertos, aproveitariam este fato (o que é muito diferente de “se aproveitariam deste fato”) e seriam muito mais felizes e libertos com elas;
  3. O que elas vestem adivinhem? Novamente é da conta unicamente delas. Se elas estão de shortinho, vestido, calça ou seja lá o que for, é problema delas. E em nenhum momento elas estão pedindo qualquer buzinada de motorista escroto e muito menos para serem estupradas;
  4. Aceitem que elas estão arrasando nas escolas (eu mesmo tenho várias alunas gênios e tive/tenho muitas colegas brilhantes) e que estão sim tomando seus devidos lugares, os quais há muito tempo já deveriam ter tomado, nos diversos ambientes de trabalho. E que tomem mais, porque tá lindo, mas ainda tá pouco.
  5. E último (vou parar por aqui antes que eu faça um tratado), não as tratem como seres divinos e imaculados pelo simples fato de vocês se lembrarem da existência de suas mamães e irmãzinhas. Sei lá, mas eu acho que as tratar com respeito pela questão de elas serem, assim como vocês, feitas de carne, osso e sentimento (talvez até muito mais, neste quesito) já faz toda a diferença.