Dear white people

Olá, queridos da internet. Olha quem está de volta? Pois etão. Retornei. Um pouco mais velho, um pouco mais careca, porém, muito mais compreensivo quando o assunto é idade. Afinal, este blog só tinha sido criado em 2016 para que eu pudesse me adaptar a ideia de que estaria, logo, logo, fazendo 30 anos. Pois hoje estou aqui, com 31 e mais vivo do que nunca. Talvez com algumas dores a mais nas costas, ok, porém de pé, queridas, porque vaso ruim não quebra, não. Mas o post de hoje não está relacionado a minha idade, não, ou a idade da minha coluna (80, no caso). Vim aqui para falar de Dear white people, a série mais bombástica da Netflix. Para quem ainda não conhece, aqui vai um review da coisa toda. Sam, a personagem principal, é uma militante do movimento negro que, juntamente com seus amigos, protesta contra a forma como os negros norte-americanos são tratados na sociedade atual. Ela tem um programa de rádio, na universidade onde estuda, e nele denuncia todas as formas de racismo aos quais ela e seus amigos passam. Bom, mas por que eu acho que esta série é simplesmente fantástica. Resposta muito tranquila. Primeiro porque sou negro, e é impossível eu não conseguir relacionar os fato que ali acontecem com o que na minha vida, de forma diária, é bastante “comum”. Segundo que por uma questão humana, eu acredito que estes assuntos devam, sim, ser debatidos e discutidos entre todos, a fim de que possamos ter uma maior conscientização das pessoas quanto as barbáries que ainda acontecem em nossa sociedade.

2° temporada da série da Netflix
Dear White people